26 de mai de 2016

Resenha: Roda-gigante



Título : Roda-gigante 
Autor: Nina Spim 
Editora: Ebook Amazon 
Gênero: Contos
Páginas: 73


Autor


Escritora sonhadora dotada de blue feelings. Acredita no amor, em sorrisos e olhares sinceros, na gentileza e em tudo aquilo que é sutil. Sempre a mascote da turma, amante de bibliotecas, livrarias, cinema, música e livros. Filha da melancolia, do acaso e da solidão. Irmã do inconstante, da incerteza e da incompreensão. Mas, acima de tudo, dona de muitos livros inacabados, histórias incompletas e tramas ainda não escritas, mas que rondam sua cabeça. Ameliada demais e Nina para sempre. blog: www.ninaeuma.blogspot.com.br







Sinopse 


Roda-gigante foi um dos contos selecionados para integrar a terceira edição da revista digital Fluxo, do mês de Setembro, cuja temática é LGBT.  Quando algo termina, a gente sabe como é. Com começos é diferente: não há um exato ponto de partida (...) Todo começo é uma perda de controle. Um emaranhado de coisas simples e complexas que nunca, nunca mesmo, você será capaz de entender sozinha. Só vai entender se partilhá-las com outra pessoa.  Vivi e Mel descobrem que o amor até pode ser um código, mas, se lido nas entrelinhas, sempre funciona. 


Resenha 

Parece incrível, saber que nosso amor é correspondido, por mais improvável que ele seja, as vezes pensamos tanto que algo não é possível, colocamos obstáculos e criamos diversas desculpas para não ter a atitude necessária para se realizar e acho que foi essa sensação de amor recíproco que eu senti enquanto lia o conto da Nina Spin dentro do ônibus a caminho do trabalho, confesso que perdi completamente a noção de local em que estava e por várias vezes me senti dentro do parque, a caminho da roda gigante e depois na roda gigante junto com Vivi e Mel. Na verdade da narração é tão próxima do leitor que as vezes eu me senti sendo a personagem, cada angústia, cada palavra que vinha na ponta da língua e que voltava por falta de coragem de falar.

"Andamos pelo gramado por um tempo, antes de decidirmos qual é a nossa próxima parada. Rendo-me a um algodão-doce e, dez minutos depois, tenho uma ideia. Quer dizer, é como se eu não pudesse controlar essa ideia. É como uma enorme onda de inspiração, não dá para ignorar. Então, eu puxo Mel. "

Um conto leve, doce e que me fez voltar aos tempos de escola e de fato perceber que se eu fosse menos "medrosa" algo do tipo poderia ter acontecido e poderia ter tornado minhas lembranças desse tempo mais agradáveis . Como Leila Ferreira disse em um de seus livros , "saudade mesmo é o que sentimos do que nunca chegamos a fazer ".
Mas o mundo está aí , cheio de novas oportunidades e quem sabe da próxima vez eu seja corajosa como neste conto.
Um conto bem estruturado, claro, linear de fácil leitura, obrigada Nina, por me permitir ler mais um trabalho seu, estou virando fã já. Já temos outro livro com participação dela aqui no blog o Ridículas cartas de amor, vale a pena ver a resenha.

Avaliação:      


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, Esse é nosso cantinho interativo. Fique a vontade para deixar seu comentário, saiba que todos serão lidos e respondidos com toda atenção . Lembre-se de ser educado e elegante , esta é a única regra.

Image Map